Tuberculose (TB)



Diversos estudos efectuados têm chegado à conclusão que em grande parte dos países africanos, os métodos de diagnóstico e tratamento usados, em geral, são obsoletos e as pesquisas médicas insuficientes.

Dos 9,4 milhões de novos casos de tuberculose registados anualmente, 440 mil desenvolvem múltipla resistência aos medicamentos. Cerca de 1,5 milhão de pessoas morreram de tuberculose resistente na última década. Dos 5 milhões de contaminados, apenas 1% teve acesso ao tratamento apropriado.

Contágio – A tuberculose é altamente contagioso e se espalha facilmente pelo ar. Basta alguém infectado tossir, cuspir ou até mesmo falar para que o vírus seja carregado pelo vento. Ele fica activo por horas até ser inalado por outra pessoa.

A doença é bastante comum entre crianças, que ainda não têm o sistema imunológico totalmente desenvolvido, e pessoas com baixa imunidade, como as infectadas com o vírus VIH.

Os métodos para diagnóstico da tuberculose são defasados, caros e inadequados, já que sua pesquisa e desenvolvimento não despertam interessem económico.

O tratamento é longo e complexo. Se interrompido pode levar o paciente a desenvolver resistência, tornando a infecção mais difícil de tratar.

Neste caso, são necessários medicamentos de segunda linha, ainda mais caros e com muitos efeitos colaterais, que exigem um tratamento longo e que muitas vezes podem não ser eficazes.   A maior parte dos pacientes em países em desenvolvimento não tem acesso a essas medicações.

Meio milhão de crianças morre todos os anos vítimas do sarampo, a maior parte na África e Ásia. Apesar de a vacina ser segura e eficaz, epidemias eclodem devido à falta de campanhas de imunização permanentes.