Como actuamos?

Como atuamos?

Somos uma organização independente e neutra que assegura a proteção humanitária e de assistência a vítimas de conflitos armados e de outras situações de violência.
Promovemos o respeito ao Direito Internacional Humanitário e sua implementação na legislação nacional de um país.

Um projeto pode ser desencadeado pela existência de uma situação de crise que requer uma resposta humanitária.
O primeiro passo é enviar uma equipa ao local para avaliar a situação (número de pessoas afetadas as necessidades médicas e nutricionais a infraestrutura de transportes, água e saneamento o ambiente político e a capacidade local de responder ao problema) uma intervenção pode ser efetuada entre 48 e 72 horas após identificado o problema.

Assistência
Nosso objetivo é aliviar o sofrimento e contribuir para a sobrevivência das populações mais vulneráveis alegando em nome da ética médica, o direito universal de todas as pessoas para a assistência humanitária e de saúde.

Proteção
Atuamos em situações que ponham em risco iminente a saúde ou a sobrevivência de populações que são atingidas:
Conflito armado, deslocamento e desastres naturais. Epidemias, fome e doenças negligenciadas. Resposta de emergência e projetos estáveis focada no fornecimento de assistência médica e medicamentosa em casos de cólera, sarampo, desnutrição, HIV/SIDA, malária, tuberculose, doença de Chagas, leishmaniose, doença do sono.

Motivos de exclusão
Intervenções visando a assistência médica humanitária às populações deliberadamente excluídos dos serviços básicos de saúde e de educação: imigrantes ilegais, minorias étnicas ou grupos marginalizados.

Durante as atividades a avaliação dos procedimentos é constante para adaptá-los às necessidades da população atendida.
A troca de informações entre o pessoal que está em campo e nos centros operacionais é contínua o que assegura flexibilidade das operações e otimização dos recursos em favor das pessoas assistidas.

Conflitos Armados
Mais da metade dos programas de PCI é destinada a vítimas de conflitos armados e instabilidade interna.
A organização presta assistência médica a feridos em zonas de guerra.

Refugiados
Conflitos armados e outras situações de tensão causam grande deslocamento populacional. Em geral as pessoas fogem da violência ou de perseguições integrando assim o quadro de refugiados: civis que deixam de receber proteção do seu governo.
Os refugiados são protegidos por leis internacionais de acordo com o Estatuto dos Refugiados adotado em 1951.
O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) órgão responsável por essa parcela da população estendeu a definição incluindo pequenos ou grandes grupos em fuga coletiva da insegurança ou da guerra ao invés de tratar cada caso individualmente.

Deslocados internos:
Fogem de conflitos, mas não cruzaram a fronteira internacional. Permanecem sob a jurisdição das autoridades locais. Este indivíduo não é considerado um refugiado e não obtém qualquer benefício de nenhuma proteção especial dentro das leis internacionais.

Desnutrição
A desnutrição está associada à metade das mortes de crianças com menos de cinco anos.
Quando se sofre de desnutrição o sistema imunológico fica comprometido e doenças banais podem levar à morte. A patologia é causada pela falta de nutrientes básicos e que muitas vezes não fazem parte dos alimentos distribuídos em situações emergências.

Desastres Naturais
Desastres naturais podem afetar severamente a estrutura de saúde de uma região ou país em questão de minutos. Intervir com a maior rapidez é a base necessária de uma missão bem-sucedida.

Exclusão de Cuidados de Saúde
Mesmo em países e regiões onde não ocorram conflitos algumas pessoas acabam excluídas do sistema de saúde por razões sociais (migrantes, refugiados) populações que vivem em áreas de vulnerabilidade social, grupos étnicos e outras minorias que acabam expostas à violência e a doenças contagiosas.

Informação de propriedade intelectual

Entende-se por “conteúdo do site“ da Paramédicos de catástrofe Internacional -PCI , toda a informação presente neste portal, nomeadamente texto, imagens, ilustrações, design gráfico, webdesign e software, contactos, entre outros.

Os direitos de propriedade intelectual sobre todos os conteúdos do Jornal On-line que não sejam de fornecimento externo e como tal devidamente identificados, são da titularidade da Paramédicos de Catástrofe Internacional -PCI ,encontrando-se, como tal, protegidos nos termos gerais de direito e pela legislação nacional e internacional existente relativa à proteção da propriedade industrial, dos direitos de autor e direitos conexos, bem como pela lei da criminalidade informática.

Este website contém ainda textos, ilustrações e fotografias que não podem ser copiados, alterados ou distribuídos sem a autorização expressa dos seus autores.

É expressamente proibida a cópia, alteração, reprodução, exibição, difusão, distribuição, armazenamento, transmissão, impressão, ou utilização dos conteúdos deste website, por qualquer forma ou para qualquer propósito, sem a prévia autorização expressa da Paramédicos de Catástrofe Internacional -PCI  ou dos seus autores relativamente ao conteúdo que se encontra licenciado e devidamente identificado. Os Paramédicos de catástrofe Internacional -PCI  e/ou seus diretores e funcionários rejeitam qualquer responsabilidade pela usurpação e uso indevido de qualquer conteúdo do presente website.

A Paramédicos de catástrofe Internacional -PCI reserva-se o direito de atuar judicialmente contra os autores de qualquer cópia, reprodução, difusão, exploração comercial não autorizadas ou qualquer outro uso indevido do conteúdo deste website, rejeitando qualquer responsabilidade por qualquer uso indevido do mesmo, por terceiros.