Loja Social

Loja Social

A Paramédicos de Catástrofe Internacional é um agente fundamental de aplicação de políticas de proteção social, desempenhando um papel fulcral na elaboração de estratégias de desenvolvimento social integrado e na criação de respostas sociais inovadoras e sustentáveis. Com a emergência de novos processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes à problemática da pobreza estrutural, é premente a uma nova política social, ativa e eficaz nas suas medidas de intervenção. Assim sendo, a Paramédicos de Catástrofe Internacional tem um papel fundamental num contexto de afirmação de políticas sociais ativas, para o esforço da erradicação e atenuação da pobreza e da exclusão social.

O Diagnóstico Social/2017 do Concelho de Odivelas, documento de referência da Rede Social de Odivelas, estrutura a análise das problemáticas sociais e define as necessidades prioritárias de intervenção, os recursos, os parceiros e a tipologia das intervenções possíveis.

A análise deste documento permite identificar necessidades de intervenção, que de alguma forma contribuam para o combate à problemática da pobreza e exclusão social. Atenta a esta realidade, a Paramédicos de Catástrofe Internacional, através do respetivo Serviço de Ação Social, implementou um Projeto, designado LOJA SOCIAL, que, de forma abrangente, procura dar resposta àquelas necessidades, visando apoiar famílias carenciadas ao nível dos bens essenciais prioritários, da população-alvo em questão.

A LOJA SOCIAL é um projeto que visa potenciar a criação de respostas mais adequadas aos problemas sociais, rentabilizando os recursos existentes, eliminando sobreposições de intervenção e permitindo um melhor planeamento dos serviços e celeridade dos mesmos. Esta tem como finalidade contribuir para a promoção e inclusão social do indivíduo, família e comunidade, estimulando a sua participação ativa e privilegiando o trabalho em Rede com os parceiros locais.

A LOJA SOCIAL tem assim como objetivo, através da aquisição/receção de bens e prestação de serviços, suprir as necessidades imediatas de famílias carenciadas, nomeadamente os beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI), idosos com fracos recursos económicos, famílias endividadas, famílias monoparentais, desempregados, bem como crianças e jovens que apresentem necessidades básicas de subsistência. Pretende-se envolver um conjunto de entidades públicas e privadas, que mediante a concessão de donativos em dinheiro (que se pretende ao abrigo do Estatuto dos Benefícios Fiscais), ou em espécie, contribuam decididamente para atenuar os efeitos da pobreza e exclusão social.