Crianças e Jovens em Risco

Crianças e Jovens em Risco

São todas as crianças que devido à sua história passada poderão apresentar comportamentos delinquentes, mas também aquelas cujas meio familiares sofre de fatores de ordem económica, bem como de alguns desequilíbrios, expondo a criança a maus tratos, negligências e abusos sexuais, entre outros. De acordo com a Lei nº 147/99 (Lei de proteção de crianças e jovens em perigo), artigo 3º, nº 2.

Segundo Penha (1996) criança em risco é “aquela que pelas suas características biológicas ou enquadramento sócio familiar, apresenta maior probabilidade de ser alvo de dificuldades que comprometem a satisfação das suas necessidades e o seu processo de desenvolvimento”. Ao afirmar-se que uma criança está em risco quer-se dizer que ela partilha uma determinada probabilidade de ocorrência futura de um determinado acontecimento ou de uma determinada evolução que é superior à probabilidade da população geral.

Podemos distinguir dois tipos de riscos: riscos precoces e riscos tardios:

O risco precoce acontecerá quando do estabelecimento das vinculações, nos primeiros anos de vida, entre a criança e os seus pais, se forem insuficientes, quer qualitativa, quer quantitativamente.

Já os riscos tardios prendem-se com aquelas crianças que com idade escolar assumem dificuldades de integração ao nível das relações interpessoais, de vivência e convivência com os outros. Normalmente são crianças agitadas, inseguras, irrequietas, com propensão para o desajustamento escolar, e para uma certa inibição no processo de aprendizagem.

Quando as crianças vivem em condições deficitárias de tal modo graves que possam colocar em risco o seu desenvolvimento global e harmonioso, diz-se que se trata de crianças sujeitas a maus tratos (Delgado, 2006). De acordo com Magalhães (2004), os maus tratos dizem respeito a qualquer forma de tratamento físico e/ou emocional, acidental e inadequado, resultante de disfunções e/ou carências nas relações entre crianças e jovens e pessoas, e pessoas mais velhas num contexto de uma relação de responsabilidade, confiança e/ou poder.

Mais do que reconhecer os maus tratos, o Conselho da Europa, na Recomendação n.º R (85) 4 do Comité de Ministros, considerando a violência no seio da família, referiu que “as crianças têm direito a uma proteção especial por parte da sociedade contra qualquer forma de discriminação e de opressão e contra os abusos de autoridade na família e nas outras instituições” (Infância e Juventude, 1985:27, cit. por Alberto, 2010).

As situações de maus-tratos infantis englobam várias atitudes violentas, de uma forma mais pormenorizada. A violência não pode ser utilizada como um termo singular, pois não existe violência, mas sim violências.

A violência significa usar agressividade de forma intencional e excessiva para ameaçar ou cometer algum ato que resulte em acidente, morte ou trauma psicológico.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a violência está classificada em três tipologias:

1-Violência dirigida pela pessoa contra si mesma: autoinfligida;

A violência autoinfligida dirige-se a comportamentos suicidas e ao auto abusos. No primeiro caso, a tipologia contempla suicídio, ideação suicida e tentativas de suicídio. O conceito de auto abuso nomeia as agressões a si próprio e as automutilações.

1-Violência nas relações interpessoais;

A violência nas relações interpessoais é classificada em dois âmbitos: a intrafamiliar e a comunitária. A violência intrafamiliar é a que ocorre entre os membros da família, principalmente no ambiente de casa, mas não unicamente. Inclui as várias formas de agressão contra crianças, contra a mulher ou o homem e contra idosos.

1- Violência no âmbito da sociedade.

A violência no âmbito da sociedade ocorre no ambiente social, entre conhecidos e desconhecidos. Consideram-se as suas várias expressões como, a violência juvenil, agressões físicas, estupros, ataques sexuais e, inclusive a violência institucional que ocorre, por exemplo, em locais de trabalho, escolas, prisões, entre outros.

Já Plougmand (1988) refe oito tipos de violência, sendo elas:

1-Violência Física Ativa;

2-Violência Física Passiva ou Abandono (negligência de cuidados);

3-Violência Mental Ativa (verbal, sequestro, ameaça, rejeição);

4-Violência Mental Passiva (negligência afetiva, desamparo);

5-Sevícias Sexuais;

6-Violência Médica (drogas, medicação não prescrita, álcool);

7-Tortura (queimaduras nos órgãos genitais, palmas das mãos e pés);

8-Violência da Sociedade Contra as Crianças (mediocridade dos alojamentos, transportes).

A violência significa usar agressividade de forma intencional e excessiva para ameaçar ou cometer algum ato que resulte em acidente, morte ou trauma psicológico.

Fauster, Garcia e Musitu Ochoa (1988, cit. por Alberto, 2010:13) destacam que “as crianças maltratadas apresentam problemas em cinco áreas de desenvolvimento emocional: baixa autoestima, condutas agressivas, desconfiança, dificuldades de integração no grupo de pares e problemas de identidade”, além de dificuldades escolares, problemas de comportamento, entre outros.

As situações de risco dizem respeito ao perigo potencial para a efetivação dos direitos da criança, no domínio da segurança, saúde, formação, educação e desenvolvimento. Compreende-se que as evoluções dos fatores de risco condicionem, na maior parte dos casos, o surgimento das situações de perigo (DGS, 2008). Deste modo, é a diferença entre as situações de risco e perigo que estabelece os diversos níveis de responsabilidade e de legitimidade na intervenção.

Considera-se que a criança ou o jovem está em perigo quando, designadamente, se encontra numa das seguintes situações (Lei n.º 147/99):

– Está abandonada ou vive entregue a si própria;

– Sofre maus tratos físicos ou psíquicos ou é vítima de abusos sexuais;

– Não recebe os cuidados ou a afeição adequada à sua idade e situação pessoal;

– É obrigada a atividade ou trabalhos excessivos ou inadequados à sua idade, dignidade e situação pessoal ou prejudiciais à sua formação ou desenvolvimento;

– Está sujeita, de forma direta ou indireta, a comportamentos que afetem gravemente a sua segurança ou o seu equilíbrio emocional;

– Assume comportamentos ou se entrega a atividades ou consumos que afetem gravemente a sua saúde, segurança, formação, educação ou desenvolvimento sem que os pais, o representante legal ou quem tenha a guarda de factos lhes oponham de modo adequado a remover essa situação.

 

Um exemplo de uma Situação de Risco: Um exemplo de uma Situação de Perigo:

 

A Maria tem 13 anos e está grávida de 8 meses. Vai periodicamente às consultas acompanhada pelos seus pais que não dispõem de grandes recursos económicos, mas apresentam bons recursos afetivos. Frequenta a escola com aproveitamento, até à data. A partir do momento do nascimento da criança, passará a ser difícil a conciliação dos horários, bem como se observará a um

acréscimo de despesas difíceis para os pais suportarem. A família mora numa casa apenas com duas assoalhadas.

 

A Maria tem 13 anos e está grávida de 8 meses. Os seus pais, quando tomaram conhecimento da situação da Maria agrediram-na e expulsaram-na de casa. A Maria não tem mais familiares a quem recorrer, tendo sido encontrada pela polícia a dormir no banco de uma estação de comboios.

Quadro 1 – Exemplo de uma Situação de Risco e de uma Situação de Perigo

Fonte: Manual de Orientações para os Profissionais da Ação Social na Abordagem de Maus-Tratos ou Outras Situações 

 

Informação de propriedade intelectual

Entende-se por “conteúdo do site“ da Paramédicos de catástrofe Internacional -PCI , toda a informação presente neste portal, nomeadamente texto, imagens, ilustrações, design gráfico, webdesign e software, contactos, entre outros.

Os direitos de propriedade intelectual sobre todos os conteúdos do Jornal On-line que não sejam de fornecimento externo e como tal devidamente identificados, são da titularidade da Paramédicos de Catástrofe Internacional -PCI ,encontrando-se, como tal, protegidos nos termos gerais de direito e pela legislação nacional e internacional existente relativa à proteção da propriedade industrial, dos direitos de autor e direitos conexos, bem como pela lei da criminalidade informática.

Este website contém ainda textos, ilustrações e fotografias que não podem ser copiados, alterados ou distribuídos sem a autorização expressa dos seus autores.

É expressamente proibida a cópia, alteração, reprodução, exibição, difusão, distribuição, armazenamento, transmissão, impressão, ou utilização dos conteúdos deste website, por qualquer forma ou para qualquer propósito, sem a prévia autorização expressa da Paramédicos de Catástrofe Internacional -PCI  ou dos seus autores relativamente ao conteúdo que se encontra licenciado e devidamente identificado. Os Paramédicos de catástrofe Internacional -PCI  e/ou seus diretores e funcionários rejeitam qualquer responsabilidade pela usurpação e uso indevido de qualquer conteúdo do presente website.

A Paramédicos de catástrofe Internacional -PCI reserva-se o direito de atuar judicialmente contra os autores de qualquer cópia, reprodução, difusão, exploração comercial não autorizadas ou qualquer outro uso indevido do conteúdo deste website, rejeitando qualquer responsabilidade por qualquer uso indevido do mesmo, por terceiros.