Sobre nós – Princípios de actuação

Sobre nós – Princípios de actuação

Paramédicos de catástrofe Internacional –PCI  é uma organização médica humanitária internacional de carácter internacional que fornece assistência às populações em perigo e às vítimas de catástrofes de origem natural ou humana e conflitos armados, sem discriminação de raça, religião ou ideologia política.

Nossa presença independente e imparcial em situações de crise nos permite oferecer assistência imediata e temporária para os mais carenciados. Nas acções de saúde em primeiro lugar, saneamento básico, abrigo ,apoio alimentar ,apoio escola ,apoio social entre outros mas também assumir riscos, enfrentar o poder e usar o testemunho como um meio para trazer a mudança a favor de acções e protecção da dignidade humana , e uma associação de ideias, pessoas, voluntariado e trabalho a beneficio do seu próximo, no alivio do sofrimento .
Desde a sua constituição   PCI é uma associação de ideias, pessoas, vontade e trabalhar livremente ligada a uma finalidade específica. Esta ordem está sob os princípios da constituição, todos os parceiros devem entender e respeitar na íntegra.Como qualquer outra associação, Paramédicos de catástrofe internacional –PCI ,  tem os seus estatutos , regulamento Interno ,normas de funcionamento ,regulamentos disciplinares entre outros ,apontando nosso quadro de acção dentro da organização.

O código interno é destinado a todos aqueles que compõem PCI , associados ou não, enquanto o estatuto e carta de princípios tem  regras que nos governam como uma associação.
Para materializar a participação e o trabalho dos parceiros, Paramédicos de catástrofe internacional –PCI ,em seu especto associativo  criou uma unidade operacional de emergência -(UOE) que tem como objectivo uma interligação e um trabalho em equipe de 24/24 horas de voluntariado dado a população .

Paramédicos de Catástrofe Internacional-PCI  é uma organização independente e neutra que assegura a protecção humanitária e a assistência às vítimas de conflitos armados e de outras situações de violência. Toma iniciativa em resposta a emergências e, ao mesmo tempo, promove o respeito ao Direito Internacional Humanitário e sua implementação na legislação nacional de um país.

Todos os que actuam com Paramédicos de Catástrofe Internacional – PCI, sejam médicos, especialistas em saúde ou profissionais de outras áreas, devem sempre honrar os seguintes princípios, descritos na carta magna dos Paramédicos de Catástrofe internacional – PCI:

Independência
Paramédicos de Catástrofe Internacional -PCI é  uma organização humanitária médica  independente: não está atrelada a poderes políticos, militares, económicos ou religiosos e tem liberdade de acção. A continuidade dos projectos é garantida através de doações de pessoas que apoiam o trabalho humanitário da organização.

Neutralidade
Em nome da ética médica universal e da assistência aos direitos humanos, Paramédicos de Catástrofe internacional – PCI,  mantém-se neutra no exercício de suas funções. O socorro deve ser sempre levado aos civis, independentemente do lado de um conflito em que se encontrem.

Imparcialidade

Paramédicos de Catástrofe Internacional – PCI tem o compromisso de levar cuidados médicos a quem precisa, sem distinção de raça, religião, crença e convicção política.
A ajuda prestada deve ser sempre proporcional às necessidades, e os recursos devem ser destinados de acordo com a urgência da necessidade a ser suprida.

Transparência

Ser transparente é um compromisso com os doadores e com as populações atendidas. Paramédicos de Catástrofe Internacional-PCI aplica, no mínimo, 80% das doações no exercício de sua missão. No entanto, a transparência para PCI não se limita a prestar contas financeiramente, inclui também avaliar as suas intervenções, baseadas nos seguintes princípios: pertinência, eficácia, eficiência e impacto de suas actividades sobre as populações atendidas.

Universalidade

O ideal humanitário é um princípio universal. A acção humanitária não pode ser detida por fronteiras, sejam físicas ou ideológicas. Todo ser humano tem direito a socorro.

Sigilo profissional

Trata-se  do mantimento de segredo para informação valiosa, cujo domínio de divulgação deva ser fechada, ou seja, restrito à organização. Este sigilo profissional consiste na responsabilidade individual de cada voluntário, o qual possui inteira responsabilidade pelos seus actos, uma vez que a ele é confiada a manipulação da informação.  O sigilo profissional vai até o limite da transgressão de uma Lei, ou seja, o profissional deve guardar todas as informações a que tiver acesso, ou vir a tomar conhecimento, em razão de sua actividade profissional.

Código de Ética Profissional
Prevê sempre o sigilo profissional para a função desempenhada.

Voluntariado· (art.º 2.º da Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro)
É o conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção ao serviço dos indivíduos, das famílias e da comunidade, desenvolvidos sem fins lucrativos por entidades públicas ou privadas.

Não são abrangidas pela presente Lei as actuações que, embora desinteressadas, tenham um carácter isolado e esporádico ou sejam determinadas por razões familiares, de amizade e de boa vizinhança.

 

actuação