Recursos Humanos de Emergência Humanitária

 

Frente à ocorrência de emergências e desastres de grandes proporções é comum que a comunidade internacional se mobilize para fazer chegar apoio ao país afetado, tanto em assistência técnica, como em espécie e apoio financeiro. A chegada repentina e maciça de assistência pode ser um elemento adicional de complicação do cenário de crise no país afetado, caso não exista uma estrutura de coordenação adequada para a gestão.

A assistência internacional deve responder às solicitações expressas feitas pelo país afetado baseada em suas avaliações de danos e necessidades, deve estar orientada aos aspetos que o país tem maior dificuldade para suprir com seus próprios recursos e deve estar estreitamente coordenada com as autoridades nacionais encarregadas.

 

1- Provisão de assistência internacional em saúde

Levando em conta que a comunidade local é a que fornece a primeira resposta, a ajuda internacional deve estar orientada a cobrir aquelas necessidades pontuais e técnicas que não podem ser atendidas com os recursos disponíveis do país afetado.

 

  • As autoridades sanitárias nacionais devem avaliar rapidamente as necessidades de assistência externa e alertar de imediato a comunidade internacional sobre o tipo de assistência de que se necessita e do que não se necessita. As prioridades devem ser esclarecidas, fazendo uma distinção entre as necessidades imediatas e as de reabilitação e reconstrução.
  • A assistência sanitária externa em caso de desastres deve ser coordenada com os funcionários designados
  • As missões diplomáticas e consulares devem comunicar aos países doadores políticas firmes sobre a aceitação de suprimentos não solicitados ou inapropriados.
  • Para evitar a duplicação da assistência sanitária em caso de desastres, deve-se aproveitar plenamente o papel da Opas como ente coordenador para informar aos doadores acerca das contribuições oferecidas e determinar quais são as verdadeiras necessidades sanitárias.
  • Antes de solicitar pessoal especializado, os países devem assegurar-se de sua necessidade e verificar a capacidade técnica e a autonomia para sua operação.
  • Pessoal médico e paramédico: Os recursos humanos do país devem ser os que enfrentam primeiro a emergência, pois conhecem as doenças do país, normas e protocolos, o idioma, o tempo para a chegada de recursos externos, que, se não forem autossustentáveis, serão uma carga para o sistema local. Os estrangeiros deveriam cobrir certas necessidades pontuais de especialidade que estejam em falta no lugar do desastre.
  • Medicamentos: Deve-se verificar a pertinência da solicitação e do envio, ao mesmo tempo em que a qualidade e o cumprimento das normas de armazenamento, conservação e vencimento, que demandam uma classificação geralmente realizada pelo pessoal envolvido na assistência farmacêutica.
  • Sangue e derivados: Não é uma regra que depois do desastre haja uma grande necessidade desse tipo de produto, geralmente os recursos locais cobrem muito bem a necessidade que possa existir; enviar esse tipo de ajuda significa um grande problema logístico, já que requer sistemas de refrigeração e transporte adequados, além de condições de qualidade e segurança muito minuciosos (doenças transmissíveis).
  • Alimentos: Geralmente, na América Latina e na Central, não há grande escassez de alimentos depois de um desastre; ademais, a doação de alimentos não soluciona o problema do transporte, já que as vias de acesso podem estar destruídas pelo evento, como no caso de terremotos, deslizamentos ou inundações. Deve-se focar nas populações com necessidades especiais (gestantes, crianças, idosos, pacientes vivendo com HIV, entre outros) e considerar condições culturais e hábitos alimentares.
  • Hospitais de campanha: Se eles cumprem os requerimentos de tempo e são autossustentáveis, poderiam ser aceitos após uma análise de custo-benefício pela autoridade de saúde no país.
  • Vacinas: Com muita frequência não são necessárias nem estão aprovadas pelo Ministério da Saúde correspondente, sendo necessário constatar apresentação, doses, data de vencimento, custos de transporte, recursos para a gestão. Além disso, como ocorre frequentemente em desastres, os refrigeradores podem estar afetados e deve-se considerar isso antes de qualquer decisão.
  • Água e saneamento: Devem-se considerar os altos custos que o envio de água e algumas soluções de saneamento básico implicam (latrinas ou banheiros químicos). O importante é gerar uma análise da situação caso a caso e incentivar as medidas para obter água segura e uma boa solução para os problemas de saneamento segundo a circunstância e, preferivelmente, com meios culturalmente aceitáveis, utilizando recursos e mão-de-obra locais. O enfoque também deve ser em elementos que garantam a sustentabilidade em médio prazo.

 

A Comunidade Humanitária Internacional tem feito importantes esforços para melhorar a qualidade das doações, tanto em medicamentos, como em equipas de saúde e outros suprimentos de saúde, acordando uma série de delineamentos sobre práticas na doação de medicamentos.

Os países têm o direito de decidir qual assistência aceitar, mas também têm o dever de orientar os doadores sobre qual é a assistência mais apropriada para as necessidades particulares da emergência.

 

2- Organizações internacionais de assistência humanitária

O sucesso de uma emergência, em certo grau, é também o cenário da ativação de grande quantidade de atores humanitários que possam estar presentes ou que chegam ao país afetado.

2.1- Oficina de Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha)

A Oficina de Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha), da Secretaria das Nações Unidas, tem entre suas funções a ativação da oferta internacional de apoio e cooperação interinstitucional e a simplificação dos procedimentos de apoio à coordenação no campo. Coordena a resposta do sistema das Nações Unidas para as emergências e favorece as ações destinadas a prevenir e a preparar para desastres. Sob sua coordenação, deslocam-se equipas especializadas que são enviadas a pedido do governo do país afetado.

A Undac, equipe das Nações Unidas para a avaliação e a coordenação em caso de desastres, desloca-se rapidamente para assistir a um país afetado por um desastre e iniciar tarefas de recuperação, colaborando com as autoridades nacionais na coordenação, na avaliação de danos, na elaboração de informes de situação e no apoio à coordenação da ajuda humanitária.

O Insarag é formado por uma rede de organizações que constituem o Grupo Assessor Internacional em Busca e Resgate. Quando é solicitado depois de um terremoto, as equipas internacionais de busca e resgate que participam do esquema do Insarag apoiam e assessoram as equipas do país afetado nas tarefas de resgatar e salvar as vidas das vítimas. O Insarag promove a padronização de critérios e procedimentos para a capacitação, o equipamento e a autossuficiência das equipes internacionais para assistência em casos de desastre, e as técnicas e procedimentos utilizados nas operações de busca e resgate estão regidas por normas internacionais de cumprimento obrigatório para as equipes do Insarag.

A Unete é uma ferramenta técnica e operativa do Sistema das Nações Unidas (SNU) formada por especialistas em emergências de cada uma das agências da ONU presentes no país. Frequentemente, convidam-se outros sócios humanitários, como, por exemplo, a Federação Internacional da Cruz Vermelha, ONGs internacionais, doadores e atores governamentais relevantes (Defesa Civil, Ministério das Relações Exteriores), a participar como membros da Unete. Em situações de desastre, é ativada pelo Coordenador Residente do SNU e pode realizar missões de avaliação de danos, análise de pedidos de ajuda internacional, apoio e facilitação da coordenação de operações de socorro a cargo do SNU e da comunidade internacional. Coleta, verificação e difusão de informação sobre a situação de emergência proveniente do governo, ou do Sistema das Nações Unidas, as embaixadas de países doadores, a comunidade internacional e das principais ONGs de cooperação para a elaboração dos reportes de situação e dos apelos por ajuda internacional.

 

Equipas médicas de Emergência Humanitária

Equipas medicas de Emergência Humanitária (EMTHs) são uma parte importante da força de trabalho global de saúde e têm um papel específico. Qualquer médico, enfermeiro ou equipe de paramédicos vindo de outro país para a prática de cuidados de saúde em caso de emergência deve vir como um membro de uma equipa. Essa equipa deve ter qualidade, de formação e equipamentos / material para que ele possa responder com sucesso, em vez impor um fardo para o sistema nacional. EMTHs deve esforçar-se para a autossuficiência, a qualidade do atendimento que é apropriado para o contexto, com as credenciais que atendam a um padrão mínimo aceitável

O que é uma Equipa de Emergência Médica Humanitária (EMTH)? • Paramédicos são grupos de profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, paramédicos, etc.) que tratam pacientes afetados por uma situação de emergência ou desastre. Eles vêm de governos, instituições de caridade e organizações não governamentais (ONG), as forças armadas e organizações internacionais.

Eles trabalham para cumprir com a classificação e padrões mínimos estabelecidos pela OMS e seus parceiros, e vem treinado e autossuficiente, de modo a não sobrecarregar o sistema nacional. • equipes de emergência médica humanitária têm uma longa história de resposta a catástrofes súbitas (SOD), como o terremoto no Haiti, o tsunami do Oceano Índico e as inundações no Paquistão. • Paramédicos de Catástrofe Internacional – PCI historicamente tem tido um trauma e foco cirúrgico, mas Ébola nos mostrou o seu valor em resposta ao surto e outras formas de emergência. • Requisitos para a resposta de saúde de emergência são mais amplos do que aqueles necessários para desastres início súbito e trauma. Eles devem incluir a capacidade de cuidar de doenças como a cólera, Shigella e Ébola, assim como equipas para apoiar as populações afetadas por inundações, conflitos e crises prolongadas como a fome.

Como podemos definir um EMTH? EMTHs trabalha sob as orientações das normas de classificação e mínimo da OMS para Estrangeiros equipas médicas em orientação súbita desastres início. Estas orientações discutir os princípios e normas fundamentais de como paramédicos registrados devem funcionar e declarar as suas capacidades operacionais

Constituição das Equipes: Essas equipas podem ser tão pequenas como dois ou três especialistas seniores e fornecer atendimento especializado adicional incorporado dentro do tipo 2 ou 3 paramédicos, um hospital nacional, ou ser uma equipe tipo 2, sem uma instalação de campo autossuficiente.

Eles devem trazer equipamento adequado, manutenção e suprimentos suficientes para a sua área de especialidade. Como outros paramédicos, equipas adicionais de cuidados especializados devem aderir aos Princípios Orientadores de EMTH e normas fundamentais, e seguir as diretrizes vigentes para a especialidade representados e assegurar cuidados prestados é adequada ao contexto e necessidades identificadas.

 

As células especializadas incluem

Quais são os diferentes tipos de paramédicos?   

Tipos de Paramédicos Definição
Tipo 1 Proporcionam ambulatório o atendimento inicial de emergência de lesões e outras necessidades significativas de cuidados de saúde. Seleção deve ser capaz de tratar pelo menos 100 pacientes externos por dia e função durante o dia. Os principais serviços incluem: triagem, primeiros socorros, estabilização, encaminhamento de trauma grave, as emergências não-trauma, e cuidar de lesões traumáticas leves fixa as equipas podem trabalhar a partir de estruturas existentes adequados ou fornecer seus próprios ambulatórios fixos ou móveis, tais como tendas ou veículos equipados especiais.
Tipo 2 Fornecem ambulatório o atendimento inicial de emergência de lesões e outras necessidades. Teams de cuidados de saúde significativo deve ser capaz de tratar pelo menos 50 pacientes ambulatórias por dia e função durante o dia. Os principais serviços incluem triagem, primeiros socorros, estabilização, encaminhamento de trauma grave, as emergências não-trauma, e cuidar de lesões traumáticas leves as equipas móveis não funcionam fora de uma estrutura fixa e da equipa, incluindo todos os equipamentos, pode ser facilmente deslocado do destacamento missão.
Tipo 3 Prestar cuidados de emergência e têm capacidades cirúrgicas. As equipas devem ser capazes de executar pelo menos 7 maior ou 15 operações menores diariamente com, pelo menos, 20 camas de internamento por uma mesa de operação e ser capaz de funcionar 24 horas por dia. Os principais serviços incluem triagem de pacientes novos e referidos, triagem cirúrgica, suporte avançado de vida, tratamento de feridas definitiva, gestão básica fratura, a cirurgia de controle de danos, general de emergência e cirurgia obstétrica, cuidados de internamento para emergências não-trauma, a anestesia básica, Raio X, esterilização, laboratório, transfusão de sangue e serviços de reabilitação.paramédicos pode tanto ser oferecido dentro de uma estrutura existente adequado, ou de um instrumento temporário. As equipes devem ter pessoal capaz de gerir epidemiologia esperado, e deve ter um plano específico para gerenciar a comorbidade de padrões de doenças normais, e de outras condições médicas com complicações ou gravidade que exige a admissão
Tipo 4 Fornecer cuidados cirúrgicos de referência em regime de internamento complexo, incluindo a capacidade de tratamento intensivo. As equipas devem ter pelo menos 2 mesas de operação em duas salas separadas dentro da área do teatro, pelo menos, 40 camas de internamento (20 por mesa) e têm a capacidade de tratar 15 maiores ou menores de 30 casos Cirúrgicos por dia. Os principais serviços incluem triagem de pacientes encaminhados e novas, triagem e avaliação cirúrgica, ferida reconstrutiva complexo e cuidados ortopédicos, aumentado, raio x, esterilização, laboratório, transfusão de sangue, serviços de reabilitação, de alto nível pediátrico e adulto de anestesia e cuidados intensivos camas com 24 / 7 monitoramento e capacidade de ventilar paramédico deve ser considerada uma opção para fornecer um serviço de referência de alto nível para os tipos 1 e 2 equipas (locais e estrangeiros) que não pode prestar serviços na referida norma. As equipas podem implantar em serviços de saúde existentes ou oferecer os seus serviços dentro de suas próprias estruturas (hospitais de campo).
Técnico de Emergência Humanitário Especialista Técnico de emergência Humanitária Especialista em uma área médica específica. Essas equipas podem ser tão pequenas como dois ou três especialistas seniores que prestam atendimento especializado adicional incorporado dentro de tipo 2 ou 3 paramédicos ou um hospital nacional, regional ou de campanha. Eles devem trazer equipamento adequado, manutenção e suprimentos suficientes para a sua área de especialidade.Tem formação em doenças da pobreza e em medicina tropical.
Técnico de emergência medica -intensiva Técnico de emergência medica -intensiva
TPEH Técnico Paramédico de emergência humanitária
TPEP Técnico de emergência pré-hospitalar
TEPS Técnico Paramédico de emergência sanitário

 

Quais são as diferentes situações de emergência?  

Tipo de Emergências Humanitárias

Desastres Súbitos (SOD) Desastre súbito (SOD) súbitas catástrofes início (SODs) são os dois desastres “naturais” (por exemplo, terremotos, furacões, inundações) e provocadas pelo homem ou desastres “complexas” (por exemplo, situações de conflito súbita decorrente de vários fatores políticos), para o qual existe pouco ou nenhum aviso para a Redução do Risco de Desastres como uma grave perturbação do funcionamento de uma comunidade ou uma sociedade envolvendo humanos, materiais, perdas e impactos econômicos ou ambientais generalizados, o que excede a capacidade da comunidade afetada ou a sociedade lidar com recursos próprios. Estes eventos ocorrem sem tempo para completar uma evacuação completa
Emergência prolongada Define uma emergência prolongada, por vezes referido como uma emergência slowonset, como um desastre prolongado que leva um longo tempo para produzir situações de emergência, em caso de catástrofes naturais de instância, como uma seca ou o declínio socioeconómico, que são normalmente acompanhadas de sinais de alerta
Conflito e emergência complexa A emergência complexa, tal como definido pela Organização Mundial de Saúde e IASC, é “uma crise humanitária em um país, região ou sociedade onde existe colapso total ou considerável de autoridade resultante de conflito interno ou externo, e que exige uma resposta internacional que vai além o mandato ou a capacidade de qualquer programa de país da ONU única e / ou em curso, “(ou seja, os riscos de violência, instabilidade política, de segurança).
Ocorrência em emergência Humanitária Manifestação refere-se à ocorrência de casos de doença em excesso do que seria normalmente esperado em uma comunidade definida, área geográfica ou estação do ano. Um surto pode ocorrer em uma área geográfica restrita, ou pode estender-se por vários países. Pode durar de alguns dias ou semanas, ou durante vários anos. Um único caso de uma doença transmissível tempo ausente de uma população, ou causada por um agente (por exemplo, bactéria ou vírus) não reconhecidos anteriormente nessa comunidade ou área, ou o aparecimento de uma doença até então desconhecida, podem também constituir um surto.
Emergências Humanitárias Biológicas e químicas Químicos, biológicos, radiológicos ou nucleares eventos causados por razões artificiais, os incidentes que ocorrem naturalmente, ou questões tecnológicas. Estes eventos podem ser armas materiais ou acidentes nonweaponized. Note-se que eventos biológicos não constituem surtos de doenças transmissíveis (REF: Centro de Excelência em Preparação para Emergências).

 

 

Em fase de reconhecimento por:

Paramédicos de Catástrofe Internacional – PCI está em fase de reconhecimento pela Emergency Medical Teams World Health Organization.