“Prevenção da toxicodependência”

 

 

Intervir junto de jovens que ainda estão numa fase de experimentação é o objectivo do projecto lançado.
O projecto integrado de apoio à comunidade, anunciado e implementado recentemente em   Lisboa , dirige-se a jovens que não se consideram toxicodependentes e que se encontram ainda numa fase de experimentação de drogas, esta é uma fase que tem estado a descoberto mas é aqui que se têm de agarrar os jovens. O programa defende a prevenção e o tratamento, envolvendo a comunidade. Além disso oferece uma consulta de apoio específica para jovens e famílias em risco, que funciona diariamente entre as 08:00 e as 20:00 .” Os jovens carecem de respostas urgentes e quase imediatas e não podem, perante uma crise familiar, por exemplo, ficar a aguardar um mês ou dois por uma consulta, está a ser preparada a divulgação desta nova consulta junto das instituições escolares, de saúde e outras que trabalhem com jovens e famílias em risco. A ideia é oferecer uma resposta concreta, integrada e articulada com todas essas instituições, sendo que as famílias e os jovens podem também recorrer directamente aos serviços da equipa técnica que foi constituída no âmbito deste projecto integrado de apoio à comunidade.A equipa inclui, além de outros técnicos, terapeutas familiares, psicólogos clínicos e psiquiatras. O tipo de respostas que são dadas vai desde as informações ao apoio na forma de lidar com as situações até mesmo à terapia familiar.O envolvimento da família e , “imprescindível” na prevenção da toxicodependência. Para o responsável, a família, a par com outras instituições sociais, como a escola e a comunidade, assume um papel importante, porque funciona como modelo no sentido de suporte à construção da própria identidade dos jovens adolescentes. “Embora o consumo de drogas esteja mais ou menos generalizado, sabemos que é na adolescência que o consumo pode trazer consequências mais graves, uma vez que bloqueia o próprio processo de desenvolvimento e de integração do jovem adolescente “O projecto, pioneiro em Portugal, está a ser concretizado na área metropolitana do Porto, mas a intenção é, numa fase seguinte, alargá-lo a outros distritos do Norte e mais tarde a nível nacional. Para já, em apenas 15 dias já foram referenciadas cerca de 100 famílias com necessidades de apoio. Segundo o Relatório Anual sobre a Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências, referente a 2006 e recentemente divulgado, a cannabis é a substância ilícita mais consumida em Portugal, destacando-se com prevalências de consumo muito superiores às das outras substâncias nos estudos epidemiológicos nacionais e assumindo o papel da principal droga a nível dos processos de contra-ordenação por consumo de drogas. Já nos contextos dos consumos problemáticos, é a heroína, muitas vezes associada à cocaína, que surge como a principal droga. A cocaína tem vindo a ganhar maior visibilidade nos últimos anos, quer nos resultados dos estudos em populações escolares quer nos contextos da procura de tratamento e nas mortes. Segundo os estudos mais recentes em populações escolares, o aumento generalizado dos consumos que se vinha verificando desde os anos 90 parece ter estabilizado e mesmo diminuído em 2006.