Na fronteira da Líbia com Tunísia, crise humanitária

Refugiados líbios chegam à cidade egípcia de Sallum, na fronteira

A crise humanitária é iminente na fronteira entre a Líbia e a Tunísia, avisou nesta terça-feira o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur). De acordo com a porta-voz do órgão, Melissa Fleming, cerca de 180.000 pessoas fugiram da Líbia em direcção à Tunísia e ao Egito. “Nosso pessoal na fronteira disse nesta manhã que a situação é cada vez mais crítica”, informou ela. Há pessoas dormindo ao relento há mais de três dias.

Só na véspera, cerca de 14.000 pessoas chegaram à fronteira com a Tunísia – o maior número registado até agora em um só dia. Espera-se que nesta terça-feira cheguem mais 15.000 ou 25.000 pessoas. Nos últimos dez dias, entre 70.000 e 75.000 pessoas cruzaram da Líbia em direcção à Tunísia, e 69.000 pessoas foram para o território egípcio. Esse último contingente foi transportado de ônibus para diferentes povoados e cidades. Só 3 mil esperam nos arredores da fronteira.
Já na divisa com a Tunísia, “dezenas de milhares de pessoas” esperam algum meio de transporte, enquanto aumentam os problemas de falta de água e alimentos,abrigos e prestação de cuidados de saúde . As condições de higiene também são inadequadas. A porta-voz da ONU disse que é urgente resolver o problema dos transportes, o que aliviaria a situação na fronteira.

Refugiados líbios chegam à cidade egípcia de Sallum, na fronteira

A crise humanitária é iminente na fronteira entre a Líbia e a Tunísia, avisou nesta terça-feira o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur). De acordo com a porta-voz do órgão, Melissa Fleming, cerca de 180.000 pessoas fugiram da Líbia em direcção à Tunísia e ao Egito. “Nosso pessoal na fronteira disse nesta manhã que a situação é cada vez mais crítica”, informou ela. Há pessoas dormindo ao relento há mais de três dias.

Só na véspera, cerca de 14.000 pessoas chegaram à fronteira com a Tunísia – o maior número registado até agora em um só dia. Espera-se que nesta terça-feira cheguem mais 15.000 ou 25.000 pessoas. Nos últimos dez dias, entre 70.000 e 75.000 pessoas cruzaram da Líbia em direcção à Tunísia, e 69.000 pessoas foram para o território egípcio. Esse último contingente foi transportado de ônibus para diferentes povoados e cidades. Só 3 mil esperam nos arredores da fronteira.
Já na divisão com a Tunísia, “dezenas de milhares de pessoas” esperam algum meio de transporte, enquanto aumentam os problemas de falta de água e alimentos, abrigos e prestação de cuidados de saúde . As condições de higiene também são inadequadas. A porta-voz da ONU disse que é urgente resolver o problema dos transportes, o que aliviaria a situação na fronteira.

Fonte:Acnur