Prevenção e cuidados do Hiv/Sida

A sexta Meta de Desenvolvimento do Milénio das Nações Unidas apela à detenção e redução da propagação do VIH/SIDA até 2015 e à obtenção de um acesso universal ao tratamento do VIH/SIDA até 2010. Apesar dos progressos realizados, a epidemia continua a devastar inúmeras vidas. Isto é especialmente verdadeiro nos países em vias de desenvolvimento, onde o VIH/SIDA tem colocado um enorme fardo no já afetado sistema de cuidados de saúde e numa classe de profissionais de saúde em diminuição , e onde vive mais de 90% da população do mundo infetada com o VIH.

As mulheres e as crianças encontram-se entre os mais atingidos, com mulheres de 15 ou mais anos de idade constituindo 50% da população infetada com o VIH, e cerca de 2,1 milhões de crianças a viver com o VIH/SIDA. infeção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH) e o síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA) representaram, em todo o mundo e ao longo dos últimos 25 anos, uma causa fundamental de doença e de morte.

Atinge preferencialmente adultos jovens e afeta com intensidade extrema o desenvolvimento das populações mais pobres, sobretudo de África, constituindo globalmente uma ameaça ao desenvolvimento, ao equilíbrio internacional e à segurança.

Em Portugal, desde a identificação dos primeiros casos, a prevenção da infeção, em todas as suas dimensões, tem-se revelado um desafio extraordinário: os indicadores epidemiológicos e sociais deixam a sociedade portuguesa em preocupante lugar na hierarquia dos países da Europa ocidental, exigindo respostas integradas e eficazes.

A infeção por VIH foi, assim, considerada no Programa do XVII Governo Constitucional uma área de atuação prioritária e dessa forma encontra-se inscrita no Plano Nacional de Saúde.

Paramédicos de catástrofe Internacional –PCI , reforça a intervenção junto da comunidade mais problemática da grande cidade de Lisboa de férias, com o objetivo de sensibilizar e motivar as pessoas a adaptarem comportamentos que previnam a infeção VIH/Sida. A unidade móvel de saúde medicalizada irã deslocar-se a locais estratégicos na região da grande cidade de lisboa com vista à realização de rastreio e promoção de atividades de aconselhamento e deteção precoce da infeção VIH (vírus da imunodeficiência humana).

Nas intervenções, é oferecido o aconselhamento e a realização do teste rápido de deteção da infeção VIH. O teste é anónimo e gratuito e o resultado é entregue ao próprio após 30 minutos. É ainda distribuído, de forma gratuita, material informativo, preservativos masculinos, femininos e gel lubrificante.

A equipa de profissionais dos Paramédicos de catástrofe Internacional –PCI reforça a importância da realização deste tipo de campanhas, principalmente nesta época do ano, ocasião em que as pessoas poderão “estar mais abertas para a aventura e a correr riscos”, aproveitando para lembrar alguns princípios:

 Utilizar o preservativo em todas as práticas sexuais e com todos os parceiros;
 O preservativo é o único meio de prevenção eficaz contra as infeções sexualmente transmissíveis, incluindo o VIH, desde que bem colocado e retirado;
 Uma pessoa infetada pelo VIH pode sentir-se bem e não saber que está infetada.

Regras básicas param utilização do preservativo:

 Guardar os preservativos num local fresco e seco e utilizá-los dentro do prazo de validade. Não guardar o preservativo num local ao sol.
 Nunca utilizar um preservativo que já foi utilizado anteriormente.
 Nunca empregar vaselina ou outros lubrificantes gordurosos, empregar apenas lubrificantes à base de água.
 Abrir a embalagem do preservativo com o maior cuidado, pelo picotado indicado. Não abrir o preservativo com as unhas ou com os dentes.
 Ter o cuidado de premir a ponta do preservativo para retirar o ar antes de o desenrolar sobre o pénis em ereção.
 Não desenrolar o preservativo antes de o colocar sobre o pénis.
 Colocar o preservativo sobre o pénis em ereção antes de qualquer contacto genital.
Para aquelas pessoas que não tiverem preservativos, a unidade móvel dos Paramédicos de catástrofe Internacional – PCI disponibilizam preservativos gratuitamente e sempre que solicitados.