Emergência Humanitária – Surto de fome em África

A ONU declarou ontem situação de fome crítica em duas regiões do sul da Somália, no leste da África. A organização também advertiu que a situação pode se espalhar pelo país nos próximos meses, se a comunidade internacional não fizer doações para mitigar a crise.
As regiões de Bakool e Shabelle foram atingidas pela pior fome em 20 anos e que a crise pode chegar às oito regiões do sul do país. “Ainda não temos os recursos necessários para fornecer alimentação, água potável, abrigo e atendimento médico para milhares de somalis, que passam necessidade.”, referiu a organização.
Cerca de 10 milhões de pessoas são afectadas de alguma forma pela fome no chamado Chifre da África -Somália, Quénia, Etiópia e Djibuti. Em situação extrema estão cerca de 2,8 milhões de somalis.
A crise de fome na Somália é causada pela seca recorrente, que atinge a região há anos, mas teve piora em 2011. Duas estações de chuva não vieram e a produção agrícola foi destruída, levando à alta da inflação.
Para piorar o cenário, conflitos entre milícias no sul do país também dificultam as operações das organizações humanitárias. A área é controlada pelo grupo extremista islâmico Al Shabab, ligado à rede terrorista Al Qaeda, que luta contra o governo interino apoiado pelo Ocidente.

INSEGURANÇA
Desde meados de 2009 até Julho deste ano, o Al Shabab proibia a entrega de ajuda alimentar humanitária no sul da Somália, em partes do centro do país e na capital, Mogadício.
Alegavam que o auxílio internacional gerava dependência institucional, mas agora suspenderam a proibição com a piora da crise. “Definitivamente, os conflitos e a insegurança são o maior desafio para nossa actuação na Somália. Na Somália, as instalações hospitalares são praticamente inexistentes, é uma área muito carente. A situação de saúde da população é precária”, disse o porta-voz do grupo. Os EUA disseram que enviarão ajuda para as áreas em crise, mas não querem que o Al Shabab interfira na distribuição dos alimentos. O grupo está na lista de organizações terroristas dos EUA.

Mogadíscio enquanto campos registam mortes
Deslocados pela fome e pelos conflitos, mais de 20 mil pessoas desesperadas procuraram refúgio na capital Somali, Mogadíscio, ainda este mês. Milhares de pessoas, algumas à beira da morte, continuam a fugir para a região.

Os refugiados somalis recém-chegados ao campo de Kobe, na Etiópia, na zona de Dollo Ado, estão com frequência desnutridos e exaustos. Diariamente, uma média de mil pessoas chegam a Mogadíscio procurando ajuda. A maioria vem de áreas atingidas pela fome, como o sul de Shabelle e Bakool. Organizações estão a tentar levar a ajuda para as pessoas da Somália, evitando que elas tenham que realizar uma difícil jornada até o Quênia ou a Etiópia. Levados ao desespero, muitos somalis ainda estão a fazer essa viagem. O campo de Dadaab, no Quênia, está a receber cerca de 1,5 mil novos refugiados somalis diariamente, enquanto centenas chegam todos os dias à área de Dollo Ado, na Etiópia.
Mais da metade deles vem das regiões de Gedo, Bay e Bakool, no centro-sul da Somália. Eles dizem que eram pastores e fazendeiros que fugiram da persistente seca, assim como da violência que os forçou a abandonar suas terras e gado.

Emergência nutricional é maior entre crianças
Muitos refugiados estão a chegar em péssimas condições devido a meses de privação e à longa viagem em busca de ajuda. “Esta é uma situação de emergência nutricional”, disse Fleming, observando que 15 mortes por desnutrição. Crianças menores de cinco anos são as mais vulneráveis, mas o ACNUR também está preocupada com a desnutrição entre os refugiados com idade entre 5 e 18 anos. Todos os recém-chegados aos campos são registados e passam por exames de saúde. Os desnutridos e as pessoas com complicações médicas são encaminhadas para clínicas, inclusive para uma secção de nutrição terapêutica.
Em Dollo Ado, centro de trânsito na Etiópia, o ACNUR está a fornecer duas refeições quentes por dia para mais de 11 mil recém-chegados que vivem em tendas improvisadas. O número de chegadas está a superar a capacidade de acolhimento desta área seca e remota. O campo de Kobe, aberto no mês passado, já está lotado, com mais de 25 mil refugiados. Um novo campo, Hilaweyn, está quase concluído e receberá até 60 mil pessoas. O acolher de refugiados neste campo está previsto começar em semanas.

Hay muchos medicamentos. Farmacias en lnea ofrece miles de medicamentos receta y otros medicamentos. Tal vez todo el mundo ha odo hablar de kamagra. їQu podran decir los pacientes a un farmacutico antes de tomar Kamagra? Aunque ED es m’s comn entre los hombres mayores, que no lo hace “normal”. їDonde usted lata encontrar la informaciуn detallada sobre super kamagra? Lo muy importante que debe buscar es Comprar Kamagra 100mg. Los problemas de salud sexual normalmente lata especificar problemas serios en otros lugares. Nunca tome m’s de la dosis prescrita de Kamagra. Si usted concluye que alguien pudo haber tomado una sobredosis de este medicamento, vaya al departamento de accidentes de su hospital local tan pronto como sea posible.