“Emergência humanitária no Sudão do Sul”

GUINEA-HEALTH-EBOLA

Na medida em que o surto de cólera entra na sua quarta semana na cidade de Juba, capital do Sudão do Sul, 29 pessoas perderam a vida e 1.306 foram tratadas.

“Esse surto de cólera é uma emergência que surge em meio de múltiplas emergências que surge nesta população extremamente vulnerável. Um milhão de pessoas estão deslocadas. 

Os esforços para prevenir a proliferação da doença envolve actividades de promoção de saúde e consciencialização das comunidades. Essas iniciativas precisam estar acompanhadas de uma ampliação persistente da oferta de instalações de tratamento em regiões onde os pacientes não têm acesso a cuidados especializados de saúde. Na medida em que a cólera causa desidratação severa e mesmo a morte em questão de horas, é essencial que as pessoas tenham acesso a tratamento gratuito e de qualidade no menor intervalo de tempo possível.

Numa cidade onde muitas pessoas não têm dinheiro para o transporte, é preocupante quando cuidados essenciais não estão perto delas no caso de um surto de cólera. O Ministério da Saúde organizou um esquema de telefonemas gratuitos para que as pessoas possam chamar ambulâncias gratuitamente para o Hospital-Escola de Juba. No entanto o risco de  algumas pessoas não chegarem ao hospital a tempo existe.

O facto da cólera ainda não ter invadido a rede de suprimento de água de Juba é um grande alívio. Se a fonte de água for contaminada, isso pode gerar um grave pico no número de pessoas a precisar de tratamento urgente.

No início da semana passada, ficamos muito preocupados quando soubemos de casos de cólera em Yei, província vizinha de Juba.