Emergência Humanitária no Mali

O acesso humanitário melhorou nas regiões centrais e parte do norte do país e a ONU estabeleceu um posto de coordenação da ajuda humanitária em Mopti. Entretanto, o acesso geral para o norte continua limitado por causa das operações militares, ameaça de minas e recente violência. A situação de segurança é particularmente preocupante em Gao, onde grupos armados promoveram dois ataques suicidas em dois dias e entraram em confronto com forças malinesas e francesas no domingo  Parceiros humanitários estão usando barcos sempre que
possível para levar ajuda à região de Timbuktu. A previsão é de que o nível dos rios permaneça adequado nas próximas semanas. O Serviço Aéreo Humanitário das Nações Unidas enviou uma missão da Timbuktu em 13 de fevereiro para avaliar a retomada do transporte aéreo por causa da aproximação da temporada de seca. Há planos para enviar ajuda a partir do Níger para a região norte do Mali. As operações ainda não foram iniciadas por causa da insegurança em Ménaka e Gao. A fronteira com a Argélia continua fechada. Até 4 de fevereiro, 21.986 novos refugiados malineses chegaram a Burkina Fasso (5.609), Mauritânia (14.216) e Níger (2.161). Baseado no monitoramento de rodoviárias e rotas fluviais, a Organização Internacional para Migração estima que o número de deslocados internos nas regiões de Ségou, Mopti e Bamako chegou a 14.242 em 31 de janeiro. Em todo o país, eram 227.206 deslocados internos até 31 de dezembro de 2012 O Programa Mundial de Alimentos (PMA) estima que ao menos 585 mil pessoas estejam passando fome e 1,2 milhão corram esse risco. Há risco de severa falta de produtos de primeira necessidade caso o acesso continue interrompido nos próximos dias.

Até 12 de fevereiro, O PMA juntamente com seus parceiros atenderam 75 mil deslocados internos na região de Timbuktu e 3,3 mil em Gao. Assistência também foi levada a 77 mil pessoas em Bamako, Mopti, Ségou e Kayes. Rações mensais são calculadas no padrão de 2,1 mil calorias diárias A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e seus parceiros, até 29 de janeiro, distribuíram kits veterinários e 230 toneladas de ração animal a mil deslocados internos, além de 1.992 cabeças de gado. Duas mil cabras já foram vacinadas e outras 3 mil estão em processo de imunização. Estima-se que 210 mil crianças malinesasestarão em risco de desnutrição aguda em 2013 e 450 mil, de desnutrição moderada. Até 10 de fevereiro, 13.433 crianças foram admitidas em centros de tratamento contra a desnutrição. Nas cinco regiões do sul do país, todas as crianças de 6 meses a 4 anos e 11 meses receberão suplementos de vitamina A.

Em 28 de janeiro, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) enviou mais de 4,3 milhões de doses de medicamentos contra a malária ao país para serem distribuídos em centros de saúde para tratamento  de grávidas.

A situação militar e de segurança

As operações militares ganharam ritmo nos últimos dias. As tropas francesas e malianas assumiram o controle de Gao em 26 de janeiro e de Timbuktu no dia 28, encontrando pouca resistência. Assim que os aeroportos foram assegurados, aviões pousaram com mais soldados, incluindo chadianos e outros contingentes da Missão de Suporte Internacional liderada pela África no Mali (AFISMA). Mais de 2,9 mil soldados franceses estão no Mali atualmente, com um adicional de 1,2 mil homens em operações de apoio no exterior

Fonte .ONU

Hay muchos medicamentos. Farmacias en lnea ofrece miles de medicamentos recetados y otros medicamentos. Tal vez todo el mundo ha odo hablar de kamagra. їQu podran decir los pacientes a un farmacutico antes de tomar Kamagra? Aunque ED es m’s comn entre los hombres mayores, que no lo hace “normal”. їDonde usted puede encontrar la informaciуn detallada sobre super kamagra? Lo muy importante que debe buscar es Comprar Kamagra 100mg. Los problemas de salud sexo normalmente lata indicar problemas serios en otros lugares. Nunca tome m’s de la dosis prescrita de Kamagra. Si usted concluye que alguien pudo haber tomado una sobredosis de este medicamento, vaya al departamento de accidentes de su hospital local tan pronto como sea posible.

Bruno Ferreira