Emergência Humanitária: Cerca de 160 mil Milaneses deixaram o país rumo aos acampamentos em Burkina Faso, Mauritânia e Níger

Desde o final de Janeiro, cerca de 160 mil malineses deixaram o país rumo aos acampamentos em Burkina Faso, Mauritânia e Níger. Enquanto a instabilidade persiste em Mali, deixando aos refugiados poucas esperanças de retornarem a seu país em curto prazo, outra ameaça iminente surge no horizonte: a estação das chuvas, que, em breve, vai dificultar a entrega de alimentos e medicamentos. De acordo com a organização humanitária, os refugiados malineses nos acampamentos em Burkina Faso, Mauritânia e Níger, a ajuda internacional é insuficiente para atender a todos pois as necessidades são muitas no terreno PCI pede atenção do alto comissariado dos refugiados das Nações Unidas (UNHCR) e do Programa Mundial de Alimentação (WFP) para aumentar e acelerar a distribuição dos alimentos e medicamentos  em Burkina Faso, em Mauritânia e no Níger antes que a estação de chuvas dificulte ainda mais o cenário .No acampamento improvisado de Mbéra, na Mauritânia, localizado no meio do deserto, 220 pessoas compartilham uma só latrina. Cada pessoa recebe apenas 11 litros de água por dia e os alimentos distribuídos pelo WFP não atendem à demanda nutricional específica das crianças.As condições relatadas estão significativamente abaixo dos padrões internacionais e aumentam a vulnerabilidade daqueles que já estão enfraquecidos pelas longas viagens. A maioria das doenças tratadas localmente em consultas médicas está directamente relacionada a essas más condições de vida. “Insegurança alimentar é uma ameaça tanto para os refugiados malineses quanto para as comunidades locais, que já vêm sofrendo com colheitas ruins “. Apenas uma distribuição de alimentos com qualidade adequada e quantidade suficiente irá prevenir futuras pioras nas condições nutricionais das crianças.

Os PCI está atento às necessidades locais, caso seja necessário irá enviar uma equipa médica para o país, essa mesma equipa será composta por 4 elementos de Ajuda Humanitária.

Fonte:UNHCR