A febre hemorrágica ebola é mortal e apresenta múltiplos sintomas:

  • febre repentina,
  • dores de cabeça e musculares em seu estágio inicial,
  • Algumas vezes seguida de dores de garganta e no peito,
  • vómitos e diarreia,
  • evoluindo nos casos graves para sangramentos em pequena ou grande quantidade.

Essa grave enfermidade, que leva frequentemente à morte, é causada pelos vírus Ébola. Após uma incubação de dois a 21 dias, o vírus provoca uma forte febre, com dores de cabeça e musculares, conjuntivite e fraqueza generalizada. Em um segundo momento, os sintomas são vômitos, diarreia e, às vezes, erupção cutânea.

Fatal, a doença é acompanhada por hemorragias internas e externas em quase metade dos casos. O vírus foi identificado pela primeira vez em 1976, após algumas epidemias graves em Nzara, província oeste-equatorial do Sudão, assim como em Yambuku, uma região vizinha no norte do Zaire (atual República Democrática do Congo).

Desde a sua descoberta, cerca de 2 mil casos – dos quais 1,3 mil foram fatais – já foram identificados. A última epidemia matou 224 pessoas em Uganda, entre Outubro de 2000 e Março de 2001. No fim de 2007, mais de cem pessoas foram infetadas com o vírus no país.

Não há tratamentos específicos de combate a esse vírus. O atendimento aos pacientes é focado no tratamento dos sintomas: reidratação, uso de analgésicos e anti vómitos, etc. Tampouco existem vacinas capazes de prevenir a contaminação.

A única forma de prevenção é o isolamento dos doentes e a utilização de trajes específicos para aqueles com risco de contaminação. Toda equipe médica que atende os pacientes infetados deve usar um macacão impermeável com luvas, máscaras e óculos de proteção, além de ficar alerta durante os procedimentos. Áreas de descontaminação são instaladas entre o isolamento dos pacientes e o ambiente exterior.

É igualmente importante refazer a cadeia de contactos dos pacientes para examinar os potenciais contaminados e avaliar se há necessidade de isolar essas pessoas. Finalmente deve-se instruir as comunidades atingidas pela febre sobre a doença e as precauções para reduzir o risco de contaminação.