“Ébola está fora de controlo em África”

10427348_782281275136851_1370169788682093785_n 
Dakar – A Guiné-Conakry, Guine- Bissau , a Libéria e a Serra Leoa têm “60 focos activos” de febre hemorrágica em grande parte devido ao vírus Ébola que está actualmente “fora de controlo” e ameaça propagar-se para outras áreas. Anunciou a organização não-governamental Paramédicos de Catástrofe Internacional–PCI.
A epidemia “é de uma extensão sem precedentes pela sua distribuição geográfica pelo número de casos e pelo número de vítimas”
“A epidemia está fora de controlo. Com o aparecimento dos novos focos na Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria, o risco de propagação para outras regiões é actualmente”, segundo dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), os três países registaram desde o começo do ano 567 casos de febre hemorrágica dos quais 385 foram confirmados por exames como sendo causados pelo vírus Ébola. Ao vírus atribuímos 350 óbitos nos 567 casos recenseados, o que representa uma taxa de mortalidade de 62%.
A Guiné-Conacri onde surgiu a epidemia é o país mais afectado com 390 casos de febre dos quais 267 foram letais. 

Entre as regiões mais afectadas estão Gueckedou e Macenta, no sul, Conacri, a capital, assim como Telimele e Boffa, no oeste, e Kouroussa, no leste, de acordo com a OMS.
Segundo a mesma fonte, a Serra Leoa contabilizou 136 casos de febre, sendo 58 mortais. Cento e três de 136 casos foram confirmados como sendo causados pelo Ébola. A epidemia afecta sobretudo as regiões de Kailahun e Kenema, no leste.
Desde 13 de Junho e até nova ordem, as escolas do distrito de Kailahun continuam fechadas e os encontros públicos, proibidos pelo governo.
Segundo moradores ouvidos segunda-feira pela AFP neste distrito, o medo do Ébola levou as populações a reduzir os seus deslocamentos e evitar contactos físicos ao máximo.

O vírus Ébola é altamente contagioso e mortal entre 25% e 90% dos casos, segundo a OMS. É transmissível no homem a partir de animais selvagens e propaga-se em seguida de pessoa a pessoa. Não existe vacina, nem tratamento específico contra a febre hemorrágica.